Politica - 12/05/2021 - 20:22:49

 

CPI acusa Wajngarten de mentir e pede prisão em 7 horas de depoimento

CPI acusa Wajngarten de mentir e pede prisão em 7 horas de depoimento

 

Da Redação com Poder 360

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

O ex-chefe da Secom (Secretaria de Governo) da Presidência da República, Fabio Wajngarten

O ex-chefe da Secom (Secretaria de Governo) da Presidência da República, Fabio Wajngarten


O ex-chefe da Secom (Secretaria de Governo) da Presidência da República, Fabio Wajngarten, falou por 7 horas em depoimento à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, nesta 4ª feira (12.mai.2021). Nesse tempo, ele se contradisse em relação a declarações anteriores e a ações da Secom, o que irritou senadores.

O relator, Renan Calheiros (MDB-AL), pediu oficialmente a sua prisão, mas o presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM) a negou ao afirmar que não seria “carcereiro de ninguém”.

“Eu não sou carcereiro de ninguém, eu sou um democrata, se ele mentiu nós temos no relatório como pedir o indiciamento dele, mandar para o ministério público para ele ser preso, mas não por mim. Depois que ele for julgado e aqui não é o tribunal de julgamento.”

Depois da declaração de Aziz, Renan discordou, mas disse que não daria voz de prisão a Wajngarten por respeito ao presidente da CPI. Para o emedebista, a não prisão do ex-secretário daria a prerrogativa para qualquer um mentir à comissão a partir de agora.

Após 7 horas e 15 minutos, a CPI foi interrompida por causa das votações que acontecem no plenário do Senado. Na volta, o presidente da comissão decidiu encaminhar a fala do ex-chefe da Secom ao Ministério Público Federal, para apurar a possibilidade de que ele tenha cometido falso testeminho.

As duas contradições apontadas por Renan no depoimento de Wajngarten foram em relação a uma entrevista dada pelo ex-secretário à revista Veja e a sua negativa sobre a veiculação da campanha “O Brasil não pode parar” em canais oficiais do governo.

Na entrevista, veiculada em 22 de abril, Wajngarten acusou a equipe comandada pelo ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello de “incompetência” e “ineficiência” na aquisição de vacinas contra o coronavírus.

O publicitário não respondeu de forma clara aos questionamentos de Renan e disse que não falou de Pazuello e sim da burocracia do governo. A falta de objetividade irritou Aziz e levou Renan a ameaçar pedir sua prisão. A pedido da CPI, a revista Veja divulgou o áudio da entrevista.

Mais tarde, o relator perguntou à Wajngarten se a campanha “O Brasil não pode parar” foi veiculada em algum canal oficial do governo e o ex-secretário negou. Renan, porém, mostrou as publicações feitas pelos canais oficiais.

O ex-secretário de Comunicação disse então que não sabia se a campanha era de autoria da Secom (Secretaria de Comunicação), que ele chefiava à época da campanha. A resposta motivou Renan a pedir oficialmente a sua prisão ao comando do colegiado.

No fim de março de 2020, o governo federal lançou ofensiva nas redes sociais com a hashtag “O Brasil não pode parar” nas redes sociais. A imagem veiculada à época trazia a marca da Secom.

Vídeo disseminado pelo Planalto por meio do WhatsApp reforçava mensagens pregadas pelo presidente Jair Bolsonaro, nas quais criticava a paralisia da economia em nome do isolamento social para prevenção à covid-19.

Segundo o ex-secretário, foi gasto R$ 285 milhões em campanhas publicitárias de combate à pandemia de fevereiro de 2020 até o presente momento juntando verbas da Secom e do Ministério da Saúde.

Durante o seu depoimento, Wajngarten negou que tenha havido interferência do governo em sua gestão.

“Eu vim da iniciativa privada, larguei família, larguei 3 filhas, uma delas com necessidades especiais –peço perdão à minha esposa por publicitar isso–, para vir morar em um hotel em Brasília, para acordar às 3h50 da manhã, para sair de São Paulo. Ao menor sinal de interferência, eu teria ido embora”, disse o publicitário.

O senador Alessandro Vieira (SE), líder do Cidadania, pediu à CPI da Covid a quebra dos sigilos fiscal, bancário, telefônico e telemático de Wajngarten.

Em seu depoimento, o ex-secretário confirmou que o presidente deu aval para que facilitasse as negociações com a farmacêutica Pfizer, um dos fornecedores da vacina contra a Covid-19. Wajngarten não atuou em benefício de outros fornecedores.

O vice-líder do Governo no Congresso, Marcos Rogério (DEM-RO), disse em seu perfil no Twitter que Renan teria abusado de sua autoridade nesta 4ª feira (12.mai.2021).

As testemunhas chamadas para depor na CPI têm o dever de falar somente a verdade. Já investigados têm o direito de não responder a perguntas. Wajngarten foi convocado como testemunha.

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias




Mais de 2,1 mi de doses de hidroxicloroquina doadas pelos EUA encalham, e Saúde avalia seguir a bula


14 testemunhas que se tornaram investigadas na CPI


Câmara aprova proposta que revisa a Lei de Improbidade Administrativa


Em audiência com João Doria, prefeito Orlando Morando pede celeridade no piscinão Jaboticabal e BRT ABC


Veja o relatório falso do TCU que provocou convocação de auditor pela CPI da Covid


Witzel acusa Bolsonaro de omissão e pede para ser ouvido em sessão reservada