Internacional - 16/03/2017 - 15:44:16

 

Justiça suspende decreto de Trump que vetava imigrantes de países muçulmanos

Justiça suspende decreto de Trump que vetava imigrantes de países muçulmanos

 

Da Redação / Leandra Filipe – Correspondente com Abr

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

O juiz distrital do Hawai, Derrick Watson, na foto acima, determinou que o estado do Havaí, em seu desafio legal à ordem, tinha estabelecido uma forte probabilidade de que a proibição causaria

O juiz distrital do Hawai, Derrick Watson, na foto acima, determinou que o estado do Havaí, em seu desafio legal à ordem, tinha estabelecido uma forte probabilidade de que a proibição causaria "um prejuízo irreparável" se prosseguisse


Dois juízes federais deferiram medidas cautelares para suspender a nova ordem do governo norte-americano sobre o veto a imigrantes de seis países de maioria muçulmana: Iêmen, Síria, Irã, Sudão, Líbia e Somália.

Hoje (16), o juiz distrital Theodore Chuang de Maryland, Virginia, suspendeu a ordem que entraria em vigor nesta quinta-feira. Ontem (15), o juiz distrital Derrick Watson, do Havaí, também emitiu uma liminar de suspensão. O presidente Donald Trump disse que vai recorrer à Suprema Corte.

Em um evento em Nashville para seus apoiadores, Trump comentou a decisão do juiz do Havaí e disse que a decisão dele “extrapola” o campo judicial e faz os Estados Unidos “parecerem um país fraco”.

Mas ambos juízes usaram em seus pareceres o argumento de que a nova ordem fere o princípio da liberdade religiosa. Segundo Watson, um “observador sensato” poderia concluir que o decreto presidencial foi emitido com “o propósito de desfavorecer uma religião em particular”.

O juiz de Maryland considerou que ordem pode instigar a divisão no país.  Além das duas ações julgadas, uma outra foi impetrada no estado de Washington e deve ter uma decisão proferida em Seattle. As ações foram movidas por entidades de apoio à refugiados e pela União Americana de Liberdades Civis.

Suprema Corte 

A Casa Branca reescreveu a ordem anterior, assinada logo no início do governo Trump, em janeiro, depois de ter recorrido à Justiça por uma decisão de segunda instância que suspendeu temporariamente a validade da ordem nacionalmente.

Naquele momento, o governo desistiu de recorrer à Suprema Corte e, ao rescrever a ordem, esperava ter retirado aspectos técnicos que poderiam levar a um bloqueio ou suspensão da medida.

Mesmo assim, os juízes que proferiram as liminares ontem e hoje seguiram a mesma linha da adotada pela Nona Corte de Apelações, seguindo a linha da inconstitucionalidade do texto, comsiderando que o texto feria o direito à liberdade religiosa.

Trump disse que vai levar o caso até onde for necessário (até a Suprema Corte) para tentar comprovar que as medidas não são ilegais e que são necessárias para a segurança nacional.

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias




Prefeitura de São Bernardo oferece água potável para população no Parque Estoril


JBS paralisa por três dias produção de carne bovina no Brasil


Câmara dos EUA adia votação sobre Obamacare


Servidores municipais de Santos rejeitam proposta e mantêm greve


Entenda o projeto de lei da terceirização aprovado pela Câmara


Ministro Barroso, do STF, defende voto em lista fechada de candidatos