Informática - 12/03/2017 - 15:35:48

 

Hackers invadem site do Boa após contratação de Bruno

Hackers invadem site do Boa após contratação de Bruno

 

Da Redação com agências

Foto(s): Reprodução

 

Hackers deixaram mensagens recordando o 'caso Eliza Samudio'

Hackers deixaram mensagens recordando o 'caso Eliza Samudio'


A repercussão quanto à contratação de Bruno continua a dar dores de cabeça para o Boa Esporte. Após perder um de seus patrocinadores, o clube de Varginha viu seu site ser invadido neste domingo por hackers, que deixaram mensagens de repúdio aos bovetas e aos patrocinadores. 

Na tela do site, foi escrita a seguinte mensagem: 

"Este ato é uma demonstração de repúdio ao Boa Esporte Clube e a todos seus patrocinadores por apoiarem diretamente o feminicídio". 

Os hackers listaram os atuais patrocinadores do Boa Esporte: Prefeitura de Varginha, Prolife, Magsul, Kipao, Kanxa, Gois e Silva, Fenix, Fazenda Ouro Velho e Dengue Control. Em seguida, foi direcionada a seguinte ameaça: 

"Será que os patrocinadores do Boa Esporte Clube não se importam de ter sua marca associada ao feminicídio?". 

Além disto, foram deixadas estatísticas sobre o assassinato de mulheres e lembranças do "caso Eliza Samudio". 

Anunciado por dois anos como reforço do clube boveta, Bruno será apresentado nesta terça-feira. O goleiro deixou a cadeia em 24 de fevereiro, devido a um habeas corpus deferido pelo Ministro do STF, Marco Aurélio Mello, e poderá recorrer em liberdade do processo que o condenou por sequestro, morte e ocultação de cadáver da modelo Eliza Samudio. 

A contratação do goleiro fez a Nutrends Nutrition, empresa de suplementos alimentares, romper patrocínio com o clube.

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias




Prefeitura de São Bernardo oferece água potável para população no Parque Estoril


JBS paralisa por três dias produção de carne bovina no Brasil


Câmara dos EUA adia votação sobre Obamacare


Servidores municipais de Santos rejeitam proposta e mantêm greve


Entenda o projeto de lei da terceirização aprovado pela Câmara


Ministro Barroso, do STF, defende voto em lista fechada de candidatos