Internacional - 31/12/2010 - 13:26:22

 

Decisão sobre Battisti é uma vergonha, diz filho de vítima

Decisão sobre Battisti é uma vergonha, diz filho de vítima

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Senadores e deputados visitaram o ex-ativista italiano Cesare Battisti, no presídio da Papuda, em Brasília

Senadores e deputados visitaram o ex-ativista italiano Cesare Battisti, no presídio da Papuda, em Brasília


A decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela não extradição do ex-ativista italiano Cesare Battisti, condenado a prisão perpétua pela Justiça de seu país, continua gerando reações adversas na Itália. O filho de um joalheiro assassinado - crime atribuído a Battsiti - afirmou ser uma vergonha o Brasil manter o acusado no País.

Alberto Torregiani, filho do joalheiro assassinado em 1979, definiu a decisão de Lula como "uma vergonha incompreensível". Para ele, um boicote ao Brasil seria a única solução para o impasse, segundo publicou o jornal italiano Corriere della Sera em seu site.

Torregiani disse ainda que "toda a Itália deve protestar" contra a decisão que ele considerou uma "piada", incluindo políticos, independentemente se são de partidos de esquerda ou de direita. Segundo ele, haverá um protesto em frente à embaixada brasileira na Itália na próxima semana.

Caso Battisti
A decisão de Lula leva em conta parecer elaborado pelo advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, que havia defendido a não extradição do ativista italiano. Ex-integrante da organização de extrema-esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), Battisti foi condenado pela Justiça italiana à prisão perpétua por quatro assassinatos, ocorridos no final da década de 1970. Depois de preso, Battisti, considerado um terrorista pelo governo italiano, fugiu e se refugiou na América Latina e na França, onde viveu exilado por mais de 10 anos, sob proteção de uma decisão do governo de François Miterrand. Quando o benefício foi cassado pelo então presidente Jacques Chirac, que determinou a extradição de Battisti à Itália, o ex-ativista fugiu para o Brasil em 2004, onde está preso desde 2007.

Em 2009, o então ministro da Justiça, Tarso Genro, sob o argumento de "fundado temor de perseguição", garantiu ao italiano o status de refugiado político, o que em tese poderia barrar o processo de extradição que o governo da Itália havia encaminhado à Suprema Corte brasileira. Ainda assim, o caso foi a julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) no final de 2009, quando os magistrados decidiram que o italiano deveria ser enviado a seu país de origem, mas teria de cumprir pena máxima de 30 anos de reclusão, e não prisão perpétua como definido pelo governo da Itália. Na mesma decisão, no entanto, os ministros decidiram que cabe ao presidente da República a decisão final de extraditar ou confirmar o refúgio a Battisti.

;

Senadores e deputados visitaram o ex-ativista italiano Cesare Battisti, no presídio da Papuda, em Brasília

Senadores e deputados visitaram o ex-ativista italiano Cesare Battisti, no presídio da Papuda, em Brasília

Senadores e deputados visitaram o ex-ativista italiano Cesare Battisti, no presídio da Papuda, em Brasília

Senadores e deputados visitaram o ex-ativista italiano Cesare Battisti, no presídio da Papuda, em Brasília

Links
http://www.globo.com
.
Vídeo


Últimas Notícias




MPF questiona programa Mais Médicos e manobra entre Dilma e governo cubano vêm à tona


Novo edital do Mais Médicos é publicado no Diário Oficial


OTrim está ativo no seu SSD do Windows 10?


Médicos formados no exterior tentam validar diploma no Brasil


Exposição em São Paulo reúne fotografias de cenas da região da Luz


Gleisi Hoffmann, em "ato falho", entrega quem é proprietário do sítio de Atibaia