Politica - 20/11/2018 - 18:30:16

 

MPF questiona programa Mais Médicos e manobra entre Dilma e governo cubano vêm à tona

MPF questiona programa Mais Médicos e manobra entre Dilma e governo cubano vêm à tona

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Dilma Rousseff ao lado de José Martins Felício em Havana, em janeiro de 2012

Dilma Rousseff ao lado de José Martins Felício em Havana, em janeiro de 2012


O Ministério Público Federal entrou na Justiça com uma ação civil pública questionando a falta de transparência e de controle do termo de cooperação do programa Mais Médicos, que viabilizou a atuação de médicos cubanos no país. Os procuradores apontaram falta de clareza sobre a execução do convênio e na aplicação dos recursos e questionaram a retenção de parte da remuneração pelo governo de Cuba.

A parceria foi celebrada entre o Ministério da Saúde e a Organização Panamericana de Saúde (OPAS) em 2013 e consistiu na vinda de mais de oito mil médicos de Cuba para atuar em postos não ocupados por profissionais brasileiros em municípios que foram objeto de chamadas iniciais do programa, em geral em áreas mais pobres e no interior do país.

A ação requer que o governo exija da OPAS a publicação detalhada das prestações de contas do convênio durante toda sua vigência, entre os anos de 2013 e 2018, para que possam ser disponibilizadas nos canais eletrônicos do Ministério da Saúde.

O pedido do Ministério Público Federal também solicita que o governo federal não celebre novos acordos sem que sejam adotadas providências apontadas pelo Tribunal de Contas da União em acórdão sobre o programa, como o detalhamento dos custos retidos pela OPAS, ajustar a forma do relatório de despesas e aprimorar o sistema de controle.

Falta de transparência

Segundo o MPF, a “real aplicação dos valores bilionários repassados pelo Brasil (somados ultrapassam R$ 4 bilhões) é imprecisa, porque os planos de trabalho não estabelecem metas, estratégias e resultados a serem alcançados”. Além disso, acrescentam os autores da ação, a prestação de contas realizada pela OPAS não discriminou como foram gastos os recursos.

A ação também questiona o fato de parte da remuneração paga a cada médico, de R$ 10 mil, ficar com o governo Cubano. Segundo a autora, a procuradora Luciana Loureiro de Oliveira, o programa teria “servido ao fim de escamotear repasses de recursos públicos brasileiros a Cuba".

Resposta

Em nota o Ministério da Saúde afirmou que o programa possui cinco anos de existência, é resultado de lei tramitada e aprovada e que “todos os documentos, pagamentos e processos são públicos e verificados pelos órgãos de controle”. O MS acrescentou que as vagas foram objeto de oferta primeiramente a médicos brasileiros e que tem convicção da segurança jurídica do programa.

“É importante deixar claro que a lei que institui o Mais Médicos autoriza o chamamento de médicos brasileiros e estrangeiros, bem como a celebração de acordos internacionais. Esta cooperação visa garantir a presença de médicos em municípios que não foram selecionados pelos brasileiros e demais estrangeiros. O Ministério da Saúde reafirma a importância do Programa, que tem assegurando assistência médica a cerca de 63 milhões de brasileiros, e destaca que outros órgãos do judiciário já julgaram improcedentes ações contra o Mais Médicos”, conclui o comunicado.

Os Telegramas Diplomáticos

Telegramas diplomáticos que relatam as negociações secretas do governo Dilma com o governo ditatoria cubanaopara a criação do Programa Mais Médicos caiu na imprensa brasileira.

De acordo com os documentos, Cuba queria cobrar 8 mil dólares por médico, mas acabou aceitando metade desse valor – sendo 3 mil dólares para o governo cubano e apenas 1 mil dólares para o médico.

Para não precisar submeter o acordo ao Congresso, o embaixador José Eduardo Felício propôs que fosse um “contrato comercial de compra de serviços médicos” através da OPAS.

Como a sede da organização é em Washington, o então ministro Alexandre Padilha propôs que as transferências fossem feitas diretamente entre os escritórios da organização no Brasil e em Cuba, sem passar pelos EUA, diz a reportagem.

As negociações, conforme publicado na imprensa nacional, foram sigilosas para evitar reações da classe médica.

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias




Prefeitura de São Bernardo promove 1ª Feira de emprego para jovens de 16 a 22 anos


Rússia é banida por doping e está fora de Tóquio 2020 e de Mundiais


Receita abre consulta ao 7º lote de restituição do Imposto de Renda


Bumba Meu Boi pode se tornar patrimônio imaterial da humanidade


Bolsonaro pede revogação de medida que excluiu atividades de MEI


STF aprova compartilhamento total de dados financeiros da Receita Federal com o MP sem autorização judicial