Internacional - 08/02/2019 - 09:54:26

 

Cúpula no Uruguai defende solução interna para a Venezuela

Cúpula no Uruguai defende solução interna para a Venezuela

 

Da Redação com Deutsche Welle

Foto(s): EPA / Andrej Cukic / Agência Lusa

 

Alta representante da UE para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Federica Mogherini

Alta representante da UE para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Federica Mogherini


O Grupo de Contato Internacional (GCI) para a Venezuela, que se reuniu na quinta-feira (7) em Montevidéu, decidiu enviar uma missão técnica ao país para dialogar com o governo e a oposição.

O grupo deixou claro que o fim da crise deve ser uma "solução venezuelana", em linha com a posição inicial da chefe da diplomacia europeia, a italiana Federica Mogherini, que defende a não intervenção no país.

O chanceler do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, disse que "a solução tem que ser venezuelana, porque a outra alternativa é o caos, é a confrontação e, com toda certeza, pode ser o conflito armado".

O grupo também apelou à realização de eleições presidenciais livres, segundo a declaração divulgada ao final do encontro, assinada por todos os países participantes, com exceção da Bolívia e do México, que não faz parte do grupo de contato, mas participou da reunião.

"O grupo apela à criação de uma abordagem internacional comum para apoiar uma resolução pacífica, política, democrática e integralmente venezuelana da crise, excluindo o uso da força, por meio de eleições presidenciais livres, transparentes e credíveis, de acordo com o Constituição venezuelana", diz a declaração.

Mogherini também destacou que a União Europeia (UE) já mobilizou ajuda para a Venezuela, no valor de 60 milhões de euros, aos quais se somarão mais 5 milhões. Ela afirmou que a ajuda humanitária deve ser canalizada de forma imparcial e não deve ser politizada e que a UE está disposta a abrir em Caracas um escritório para gerenciar essa assistência.

Participaram da primeira reunião do GCI a UE, que esteve representada por Mogherini e por oito Estados-membros: Portugal, Espanha, Itália, França, Alemanha, Reino Unido, Holanda e Suécia. Do lado da América Latina, estiveram presentes a Bolívia, Costa Rica, o Equador, México e Uruguai.

Novoa disse que a participação no grupo está aberta a outros países e destacou a "confluência" com o chamado Mecanismo de Montevidéu, uma iniciativa proposta pelo México e o Uruguai e que consta de quatro etapas, centradas no diálogo imediato, na negociação, nos compromissos e implementação.

Sobre o Mecanismo de Montevidéu, Mogherini afirmou que, apesar de não ser incompatível, tem objetivos diferentes aos do Grupo Internacional de Contato.

Dos membros do grupo, três (Bolívia, Itália e Uruguai) não reconheceram o presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela.

Para o Brasil, que não participa do Grupo Internacional de Contato sobre a Venezuela, a iniciativa "não é útil" e só servirá para prolongar por mais tempo no poder o presidente Nicolás Maduro.

* Com informações da Deutsche Welle (agência pública da Alemanha)

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias




Nascidos em março e abril já podem receber Abono Salarial 2017


Sem moeda & sem cartão


Saiba quais são os empregadores que precisam entregar a declaração


FORD não vai mais atuar no segmento de caminhões na América do Sul


USP cancela matrículas de estudantes de colégios militares aprovados pelo Sisu


Horário de verão termina neste domingo em 10 estados e no DF