Opinião - 18/01/2018 - 09:27:18

 

Revolução Digital em São Paulo

Revolução Digital em São Paulo

 

José Renato Nalini * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove


A migração do papel para o digital na Rede Pública Estadual de Educação Paulista se tornará realidade no ano letivo de 2018. A iniciativa é praticamente uma revolução que São Paulo inicia e que terá profundas repercussões na formação das novas gerações.

No dia 8 de dezembro de 2017, na Escola Estadual Dr.Alberto Cardoso de Mello Neto, no Jardim Leonor Mendes de Barros, capital, lançou-se o projeto-piloto do Governo do Estado em parceria com Microsoft e Digital Pages, para levar o livro digital de Matemática para 82 mil estudantes paulistas.

É um passo importante, após a liberação do uso do mobile em sala de aula, quando para fins pedagógicos. Mas a tecnologia da educação não pode parar. Deu-se passo importante e irreversível de migração do papel, o gradual abandono do material físico para o digital em sala de aula. O caderno do aluno, material pedagógico de uso do alunado em sala de aula, terá um aplicativo em Matemática, a permitir sedutora interação. Inicia-se pela Matemática, a disciplina em que o Brasil oferece maior deficiência quando cotejado com os Países na dianteira na avaliação PISA. E é disciplina essencial para o desenvolvimento das ciências exatas, fundamento da pesquisa que precisa ser recuperada como fomento ao verdadeiro progresso de um País que tem urgência na retomada de seu crescimento.

O projeto piloto se desenvolverá em 39 escolas da Diretoria de Ensino Norte 2, da capital. Os alunos do primeiro ano do Ensino Médio serão beneficiados com a iniciativa e manterão o reforço do papel, pois o êxito do piloto depende do efetivo aproveitamento de parte do alunado. Verificado o sucesso da implementação, espera-se expandir o projeto por todo o Estado de São Paulo.

Importante salientar que a iniciativa funciona tanto como app em smartphones quanto na web e, após baixado, o aplicativo não precisa de acesso à internet para ser utilizado. É perfeitamente possível o seu uso offline. Além do conteúdo do livro, os alunos poderão responder digitalmente, interagir com os docentes. Além do acesso a vídeos, áudios, animações, simulações de objetos 3D e games. O programa ainda disponibiliza ferramentas de anotação, mensagens, fóruns, busca por termo ou por conteúdo.

O professor poderá acompanhar o desempenho das turmas e terá informações como: quanto tempo o aluno permaneceu em uma página, quais os conteúdos percorridos, as respostas que forneceu em cada exercício proposto. Para isso, os docentes terão capacitação e treinamento na EFAP a Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Professores da Secretaria da Educação, em parceria com a Digital Pages.

O conteúdo do livro digital, bem como todas as informações sobre as atividades desenvolvidas pelos alunos, ficará armazenado na plataforma de nuvem da Microsoft, a Azure. O projeto amplia outras ações já anunciadas pela Secretaria da Educação. Expansão da rede de banda larga para todas as mais de 5 mil escolas estaduais, implantação de wi-fi até outubro de 2018, inicialmente nos laboratórios de informática e salas de professores, com expansão posterior para as salas de aula.

Ainda está no plano da SEE a aquisição de kits de notebooks para 400 escolas, com 40 aparelhos em cada escola, totalizando 16 mil equipamentos e efetivo aproveitamento da liberação pedagógica do uso de mobiles dentro da classe.

São Paulo foi Estado pioneiro na adoção de currículo escolar, vigendo desde 2009. Definiu o que cada estudante deve aprender em cada etapa do seu aprendizado e, desde então, os alunos contam com material exclusivo e atualizado desenvolvido por especialistas da Educação. Caderno do aluno, que complementa os livros didáticos e se divide entre Ciências Humanas, Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza e Matemática.

Tudo em perfeita sintonia com o Caderno do Professor, já totalmente digitalizado pela Secretaria. Isso auxilia o docente no preparo das aulas de matemática, língua portuguesa, história, filosofia, química, física, biologia, sociologia, inglês, geografia e educação física.

É o futuro convertido em presente na educação pública de São Paulo, cujo patrimônio maior é a comunidade que presta serviços com devotamento e o carinho com que ensina quatro milhões de crianças e jovens paulistas.

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove

 



;

Links
Vídeo


Últimas Notícias




STF aprova compartilhamento total de dados financeiros da Receita Federal com o MP sem autorização judicial


CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PUBLICAÇÃO DA FOLHA DE S. PAULO


Recadastramento de telefones pré-pagos termina hoje,18, para 17 estados


Orlando Morando inaugura novo trecho do corredor Alvarenga


Medida Provisória acaba com o DPVAT


Senado aprova PEC que adia quitação de precatórios